Home | Blog | Coração acelerado do nada? Entenda esse sinal

Coração acelerado do nada? Entenda esse sinal

Coração acelerado do nada: entenda o que pode ser a taquicardia e como investigar o sintoma!

Você já ficou com o coração acelerado do nada? Sem fazer nenhum esforço físico ou levar um susto daqueles? Essa sensação, que tanto causa estranhamento, merece ser investigada por meio de uma avaliação clínica, exames cardiológicos e, possivelmente, outros complementares. Pode ser que não haja mal algum, mas em certos casos é preciso iniciar um tratamento. Por isso, nada de ignorar o sintoma.

Neste artigo, mostramos quais são as causas e os tipos de taquicardias. Confira, também, como controlar o problema e quais exames permitem investigar suas causas.

Coração acelerado: o que pode ser?

A sensação de pulso forte e acelerado, geralmente, não vem sozinha. O sintoma costuma ser acompanhado de palpitações, fraquezas, falta de ar, dores no peito, tonturas e desmaios.

Em repouso, considera-se como normal ter entre 60 a 100 batidas por minuto. Já o coração que acelera do nada pode ser um sinal de arritmia (também chamada de taquicardia). Essa alteração no ritmo dos batimentos ocorre quando o músculo cardíaco funciona mais rápido do que deveria.

Quais são as causas da taquicardia?

A taquicardia é gerada por pequenos “curtos-circuitos” que acontecem na condução dos estímulos elétricos do coração. Isso se dá em pontos de conexões ou, quando há cicatrizes, no músculo do coração.

Pessoas com problemas cardíacos, como insuficiência cardíaca e infarto, são tidas como grupo de risco. Além disso, consideram-se fatores de risco para o aparecimento ou agravamento dessa condição:

  • doenças pulmonares;
  • doenças da glândula tireoide;
  • doenças infecciosas isquêmicas, relacionadas a parasitas;
  • distúrbios eletrolíticos (baixos níveis de potássio e magnésio);
  • estresse contínuo;
  • tabagismo;
  • algumas medicações com substâncias estimulantes (como anfetaminas);
  • consumo excessivo de café e produtos com cafeína;
  • uso de energéticos e drogas ilícitas (como a cocaína);
  • algumas causas hereditárias e o próprio envelhecimento.

Quais são os tipos de taquicardia?

Para ser considerada taquicardia, é preciso mais do que 100 bpm. Existem diferentes tipos de taquicardia, os quais se classificam de acordo com o local onde o sintoma ocorre. Veja as principais a seguir.

Taquicardia sinusal

A taquicardia sinusal é o tipo de taquicardia mais comum. Ela se inicia no nó sinusal (localizado no topo do átrio direito, a “ponta” superior do coração) e, geralmente, é benigna. Seus sintomas são imperceptíveis ou muito leves.

Taquicardias atriais

As taquicardias atriais podem ocorrer tanto em pessoas com o coração normal como naquelas com o coração estruturalmente danificado (com insuficiência cardíaca, por exemplo). Elas podem ser:

  • taquicardias atriais focais;
  • taquicardias multifocais;
  • taquicardias macrorreentrantes.

Taquicardia ventricular

A taquicardia ventricular se inicia nos ventrículos (câmaras inferiores do coração). Geralmente, ocorrem alguns poucos batimentos acelerados e consecutivos, seguidos por batimentos em ritmo normal.

Caso dure mais do que 30 segundos, trata-se de chamada taquicardia ventricular sustentada. Nesse caso, o sintoma é mais comum em pacientes idosos e com cardiopatias estruturais.

Taquicardias supraventriculares

As taquicardias supraventriculares ocorrem parte na estrutura atrial, parte na ventricular. Elas se caracterizam por episódios de palpitação que começam e terminam abruptamente. Os tipos mais comuns são:

  • taquicardia por reentrada nodal;
  • taquicardia por reentrada atrioventricular;
  • flutter atrial;
  • taquicardia atrial.

Quando o sintoma é motivo de preocupação?

Coração acelerado do nada nem sempre é sintoma de algum distúrbio grave. Afinal, a arritmia tanto pode ser benigna como maligna. Por exemplo: o sintoma pode aparecer depois de uma gripe que, porventura, tenha inflamado alguma membrana do coração. Nesse caso, cessa após uns dias, sem deixar sequelas.

Outras vezes, no entanto, o descompasso notado pelos pacientes pode ser indício de algum distúrbio. Por isso, é preciso passar por um cardiologista para investigar as causas e, se necessário, dar início ao tratamento.

Segundo a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (SOBRAC), as arritmias acometem mais de 20 milhões de pessoas no Brasil. Se não tratadas adequadamente, tornam-se um fator de risco importante para diversas doenças. Entre elas:

  • patologias no coração;
  • insuficiência ou parada cardíaca;
  • morte súbita (a qual pode acometer de recém-nascidos a idosos, saudáveis ou não).

Como controlar a taquicardia?

Observe se existe um padrão associado ao sintoma. Por exemplo: se a taquicardia surgir em decorrência do consumo de alguma substância, como café ou outra bebida energética, elimine-a ou, pelo menos, evite o seu consumo.

Já se o coração acelerado do nada estiver acompanhado de desmaio, dor no peito e/ou sensação de compressão, procure um pronto atendimento imediatamente. A melhor maneira de controlar a taquicardia é diagnosticar sua causa e iniciar o respectivo tratamento.

Como é o diagnóstico da taquicardia?

Primeiramente, o médico faz uma avaliação clínica. Para isso, analisa os sintomas relatados pelo paciente, levanta seu histórico e realiza os exames físicos padrões (pulso, temperatura e pressão arterial).

Em seguida, o especialista solicita uma série de exames diagnósticos. São eles:

Assim, o médico parte de um estudo eletrofisiológico e, se necessário, dá início ao tratamento. Caso a taquicardia seja confirmada, as opções terapêuticas podem ser:

  • adoção de hábitos saudáveis, evitando o consumo de bebidas alcoólicas e o tabagismo;
  • terapia medicamentosa, não invasiva;
  • ablação, procedimento cirúrgico minimamente invasivo, realizado por meio da introdução de um cateter, com o intuito de localizar e cauterizar o ponto associado à origem da arritmia.

Já o implante de dispositivos cardíacos eletrônicos (marcapassos e cardioversores desfibriladores implantáveis) não é necessário. Esses dispositivos são indicados, somente, para casos de diminuição dos batimentos cardíacos (bradiarritmias).

Assim, a alteração nos batimentos cardíacos sem uma explicação, como a prática de atividades físicas ou uma emoção forte que a justifique, precisa ser investigada. Se o seu coração fica acelerado do nada, procure atendimento médico, faça os exames solicitados e previna o agravamento de um potencial problema. E não custa reforçar: mantenha o check-up anual em dia, pois muitas doenças cardíacas são assintomáticas.

Gostou do conteúdo? Caso tenha interesse em mais dicas de saúde e prevenção, bem como as novidades na área da medicina diagnóstica, siga a Magscan no Facebook e Instagram!

Magscan - Medicina e Saúde
Hoje, a Magscan é uma das empresas de saúde mais conceituadas do Norte do Brasil. Em 2019, ampliou seu portfólio de serviços, indo além dos exames de imagem e inaugurando em seu laboratório de análises clínicas.
Resultado de Exames Agendar Exame
© 2010-2022 MAGSCAN - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS