Home | Blog | Covid-19: como funciona o teste de anticorpos IGG e IGM?

Covid-19: como funciona o teste de anticorpos IGG e IGM?

O teste de anticorpos IgG e IgM serve para mostrar se uma pessoa esteve em contato com o vírus Sars-Cov-2. Além de avaliar a resposta imune do paciente, a sorologia para o coronavírus também contribui para o mapeamento da circulação do vírus e, consequentemente, para estimar o nível de exposição da população.

Mas para que o resultado seja válido, o exame precisa ser feito no período certo e interpretado corretamente. Para saber como o teste de anticorpos IgM e IgG funciona, continue a leitura!

O que são testes sorológicos de anticorpos?

Sorologia é a mensuração da quantidade de anticorpos no soro, a parte líquida do sangue. Chamados de testes rápidos, os testes sorológicos de anticorpos são realizados de forma bastante simples e o resultado sai em poucos minutos.

Eles revelam se houve contato com algum antígeno (substância estranha ao organismo) — no caso, o Sars-Cov-2. No entanto, a sorologia não diagnostica, especificamente, a Covid-19. O que ela detecta é a presença de anticorpos produzidos em decorrência do contato com o vírus, sendo importante para avaliar o estado imunológico das pessoas.

Como funciona o teste de anticorpos IgM e IgG?

Os testes sorológicos de anticorpos são feitos a partir de amostras de sangue, sem a necessidade de jejum ou qualquer preparo especial. A metodologia empregada é a imunocromatografia, na qual a reação química ocorrida entre antígenos e anticorpos resulta em uma cor diferente.

A partir daí, os anticorpos podem ser classificados como IgM ou IgG. Vale ressaltar que a realização e interpretação dos resultados dos testes devem ser feitas, somente, por um profissional de saúde capacitado.

O que são anticorpos IgM e IgG?

Anticorpos são mecanismos de defesa do organismo, gerados após a exposição a um agente externo. Seu papel é reconhecer e neutralizar esses invasores, para que o corpo os elimine.

Assim, para cada antígeno há um ou mais anticorpos específicos. Graças a essa especificidade, pode-se identificar a infecção por SARS-CoV-2.

Dependendo do momento em que são produzidos, os anticorpos são classificados como IgM (imunoglobulinas de classe M) ou IgG (imunoglobulinas de classe G). Anticorpos IgM são os que aparecem primeiro, sendo relacionados a infecções recentes. Muitas vezes, sua presença sinaliza que o paciente está na primeira fase da doença, ou seja, ainda possui o vírus.

Já os anticorpos IgG são produzidos posteriormente. Eles indicam que a infecção se deu há algum tempo e, portanto, que a pessoa deve ter adquirido imunidade ao novo coronavírus. O que não se sabe, até o momento, é se essa imunidade será, ou não, permanente.

O que o resultado da sorologia pode dizer?

De maneira geral, o paciente com IgM e IgG negativas ainda não teve contato com o SARS-CoV-2. Portanto, é considerado suscetível ao novo-coronavírus.

Já o paciente com IgM negativa e IgG positiva teve a infecção há, pelo menos, 3 semanas. Sendo assim, está, supostamente, imune à Covid-19.

Em pacientes com IgM positiva e IgG negativa, a infecção recente é bastante provável. Mas para evitar falsos positivos, o exame deve ser repetido após 7 dias, de modo a confirmar o aparecimento da IgG.

Por fim, pacientes com IgM e IgG positivas tiveram a infecção recentemente. Em média, ocorrida há menos de 3 semanas.

Por que é importante realizar o teste no período certo?

Uma vez que o paciente tenha tido contato com o novo coronavírus, o teste de sorologia permite detectar a presença de anticorpos produzidos pelo seu organismo. Mas para ser assertivo, é preciso realizá-lo no período certo.

Isso porque, após o contágio, o organismo leva um tempo até produzir anticorpos (a chamada janela imunológica). Esse período de incubação, em que o vírus está começando a infectar a pessoa, varia de pessoa para pessoa.

Segundo a Anvisa, a melhor forma de evitar falsos negativos e falsos positivos é realizar o teste de anticorpos IgM e IgG, preferencialmente, após o 10º dia do início dos sintomas. Esse intervalo é necessário para que o organismo produza anticorpos em quantidade detectável pelo exame.

Porém, alguns locais permitem que o diagnóstico seja feito a partir do 7º dia. Assim, o tempo de espera para a realização deve sempre seguir as orientações do laboratório.

Por que não é possível diagnosticar a Covid-19 apenas com o teste de anticorpos?

Como esta é uma doença nova e ainda sob estudo, não se sabe, exatamente, por quanto tempo o SARS-CoV-2 permanece no corpo. Também não é possível determinar quando não há mais infecção pelo vírus.

Assim, para saber se se trata, ou não, de Covid-19, além do resultado da sorologia é preciso avaliar informações clínicas, bem como sinais e sintomas. Ao mesmo tempo, recomenda-se fazer um exame confirmatório: o RT-PCR (considerado padrão ouro pelos infectologistas).

Como outros exames colaboram para o diagnóstico de Covid-19?

O RT-PCR (ou simplesmente PCR) busca identificar o RNA do Sars-CoV-2 a partir de uma pequena amostra de secreção (coletada do nariz ou da garganta). Na prática, ele mostra se a pessoa está infectada (na fase aguda da doença).

Assim como no teste de anticorpos IgG e IgM, o tempo é um fator importantíssimo para a eficácia do PCR. Ele deve ser realizado entre o 2º e o 10º dia de sintomas sugestivos para a Covid-19 (como falta de ar, perda do paladar, entre outros).

No entanto, pessoas assintomáticas, mas que tiveram contato recente com pessoas que testaram positivo para a Covid-19, também podem realizá-lo. Além desses casos, o exame também é indicado para quem fará uma viagem internacional nos próximos dias e para quem irá se submeter a uma cirurgia eletiva.

A tomografia computadorizada é outra importante aliada no diagnóstico da Covid-19. No caso da tomografia computadorizada do tórax, pode-se verificar se há alterações (opacidades pulmonares) decorrentes da infecção respiratória causada pelo novo coronavírus, bem como o grau de comprometimento dos pulmões.

Pacientes que testaram positivo para a Covid-19 estão imunes à doença?

Independentemente do resultado dos testes, ninguém pode se considerar imune à Covid-19. Segundo artigo publicado na Scientific American, devido a uma série de incógnitas referentes à própria imunidade, bem como às limitações nas precisões dos testes de anticorpos, eles não são 100% certeiros quanto à exposição prévia ou, tampouco, à proteção futura.

Sendo assim, os testes não são “passaportes para a imunidade”, ainda que sejam importantes para ajudar a entender de que forma se dá a disseminação do novo coronavírus. Aliás, nem mesmo as vacinas, disponíveis atualmente, protegem totalmente contra a infecção. Mas elas reduzem a transmissão e diminuem, consideravelmente, a gravidade da doença (a chamada imunidade efetiva).

Agora que você sabe como funciona o teste IgG e IgM para a Covid-19, assim como o PCR e até a tomografia computadorizada, realize-os quando solicitado, mas continue tomando todos os cuidados. Máscara, álcool em gel 70º e distanciamento social são as maiores armas enquanto a vacina contra a Covid-19 não está disponível para todas as pessoas.

Esperamos que este artigo tenha esclarecido como funciona o teste de anticorpos. Se precisar realizá-los em Manaus, conte com a Magscan! Aproveite para agendar seu exame online agora mesmo!

Magscan - Medicina e Saúde
Hoje, a Magscan é uma das empresas de saúde mais conceituadas do Norte do Brasil. Em 2019, ampliou seu portfólio de serviços, indo além dos exames de imagem e inaugurando em seu laboratório de análises clínicas.
Resultado de Exames Agendar Exame
© 2010-2022 MAGSCAN - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS